Mulheres ocupam 43% dos cargos de direção na OAB-PE

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email

A equiparação de gênero nos espaços de liderança das instituições e corporações é uma luta das mulheres. Nesse quesito, a OAB-PE tem um fato relevante e inédito a ser celebrado neste triênio (2019/2021). As mulheres ocupam 43,8% dos postos de direção da seccional e das 25 subseccionais da Ordem pernambucana. Dos 130 cargos de diretoria – cinco na seccional e 125 nas subseccionais – 57 deles são ocupados por mulheres, incluindo a vice-presidência e a secretaria geral da OAB-PE. O dado indica que a participação feminina nos espaços de direção da OAB-PE reflete quase a equiparação de gênero no número de advogados e advogadas inscritos na seccional pernambucana: dos 35.706 registros ativos, 16.651 são de advogadas, que equivale a quase 47% do total.

Este dado, além de refletir um balanço de gênero nos espaços da Ordem, também coloca a seccional pernambucana em cumprimento adiantado e com folga da meta do Conselho Federal da OAB, de que 30% da diretoria deve ser composta por mulheres, que entrará em vigor a partir de 2021.

O caso de participação feminina mais emblemático é da subseccional de Arcoverde, no Sertão Central. Pela primeira vez na história a OAB-PE tem uma diretoria composta exclusivamente por mulheres. Flaviana Beserra Pachêco, presidente da subseccional de Arcoverde (na foto com o presidente da OAB-PE, Bruno Baptista), destaca que a participação da mulher reflete o espaço que as mulheres vêm conquistando e a capacidade de dedicação: “Com a ocupação dos espaços, passamos a ser respeitadas pelo nosso empenho e capacidade. Não se trata apenas de ser mulher e cumprir cotas, mas sim de mostrar nosso zelo, cuidado e excelência no que fazemos e sermos reconhecidas por isso”, explicou.

Ainda em Pernambuco, o município de Ipojuca tem uma presidente reeleita de subseccional: Jarlenira de Araújo.  Para ela, a participação feminina em cargos de liderança da OAB é importante por uma questão de representatividade:  “A Ordem é um órgão cujos cargos de direção são ocupados predominantemente por homens. Pernambuco possui 25 subseções e no meu primeiro mandato, no triênio 2015/2018, éramos apenas 3 mulheres presidentes de Subseções (Ipojuca, Araripina e Limoeiro). Nesse novo triênio 2019/2021, houve um aumento e agora somos 7 mulheres presidentes de subseções”.

Além de Ipojuca e Arcoverde, as mulheres presidem as subsecções de Limoeiro, Jaboatão dos Guararapes, Afogados da Ingazeira, Carpina e Belo Jardim. Pernambuco também conta com 13 mulheres nas vice-presidências de subseccionais, 17 em secretarias gerais, 9 em secretarias gerais adjuntas e 9 em tesourarias. Além delas, a OAB-PE tem uma vice-presidente, Ingrid Zanella, e uma secretária-geral, Ana Luiza Mousinho.

O presidente da OAB-PE, Bruno Baptista, afirma que é motivo de orgulho ter uma presença feminina nos diversos espaços de direção da Ordem em percentual de quase paridade com os homens. “Isso não é cota. Essa é uma conquista que se deve à luta das mulheres, a sua capacidade de dedicação em tudo que elas fazem e a cada vez mais crescente sensibilidade da Ordem para a questão da participação feminina nos seus espaços”, ressalta.

Bruno Baptista também avalia que, apesar da crescente participação, a pauta feminina não se esgota neste ponto. “Existem várias outras questões que ainda precisam ser trabalhadas por toda a sociedade, da postura em relação às mulheres. Ainda existe um tratamento desigual que não se justifica mais. A OAB-PE dá uma demonstração importante de respeito ao espaço das mulheres, mas continuamos alinhados na luta por mais respeito e menos assédio em todos os espaços da sociedade. Nossa gestão terá um olhar diferenciado para este tema”.