Nota Pública – sobre a manifestação de um grupo de juízes quanto à realização de eventos antirracistas pela Amepe

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email

 

NOTA PÚBLICA

 

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional de Pernambuco, por meio da sua Diretoria, em respeito à sua missão de defensora dos valores constitucionais, vem a público expressar a sua preocupação com um manifesto, subscrito por 34 magistrados(as) e divulgado pela imprensa, onde se critica a promoção, pela Associação dos Magistrados de Pernambuco (AMEPE), do curso online “Racismo e suas Percepções na Pandemia” e da publicação da cartilha “Racismo em Palavras”, voltados para a magistratura, sob o fundamento de que ditas atitudes importam em apoio a “correntes ideológicas”.

O debate sobre o racismo estrutural não pode ser reduzido a uma “pauta ideológica”. Trata-se de uma pauta humanística, fundamental para o exercício da nobre (e difícil) missão de julgar os semelhantes.

Entendemos que a questão do racismo deve ser discutida em todos os ambientes e sempre que necessário. Somente trazendo o tema à tona é que poderemos combatê-lo, nos valendo do lema que intitula livro da professora Robin DiAngelo: “Não basta não ser racista – Sejamos antirracistas”.

Desta forma, a OAB/PE manifesta o seu apoio à promoção de eventos com a pauta antirracista pela AMEPE e, ao mesmo tempo, conclama toda a comunidade jurídica ao debate da pauta em tela visando a eliminação de toda e qualquer forma de discriminação, colocando-se à disposição para a promoção de ações conjuntas de combate ao racismo estrutural.

Recife/PE, 22 de novembro de 2020.

DIRETORIA DA OAB-PE