OAB homenageia 11 mulheres com a medalha Heroínas de Tejucupapo

Whatsapp Facebook Twitter Linkedin Email

A OAB Pernambuco realizou na sede da entidade, no Recife, nesta quinta-feira (28), a entrega da medalha Heroínas de Tejucupapo, tradicional comenda destinada às mulheres que se destacaram em suas áreas de atuação. Ao todo, foram 11 homenageadas atuantes nas áreas de Direito, Jornalismo, Medicina e Saúde, Cultura, Educação, Negócios, Política, Personalidade e Liderança, Defesa da Mulher, Ação Social e Homenagem Especial.

Foram homenageadas a advogada e conselheira federal da OAB-PE Silvia Nogueira, na categoria Direito; a jornalista Jô Mazzarolo, em Jornalismo; a empresária Suzana Mont’Alverne, em Negócios; Lia de Itamaracá, em Cultura; a ex-deputada Creuza Pereira, em Política; a pró-reitora da Unicap Valdenice Raimundo, na categoria Educação; a médica Liana Ventura, em Medicina e Saúde; a empreendedora social Daniela Rorato, em Ação Social; a ex-secretária Cristina Buarque, na categoria Personalidade e Liderança; a dirigente do Instituto Maria da Penha, Regina Célia, em Defesa da Mulher; e a funcionária da OAB Maria do Carmo Araújo, conhecida como Carmem, que recebeu a Homenagem Especial.

O evento foi recheado de emoção, com as presenças de muitos familiares das homenageadas, e da defesa da pauta feminina. “As heroínas de Tejucupapo simbolizam a luta de mulheres que mudaram a história e que serviram de inspiração. Nós, hoje, estamos homenageando mulheres que, com persistência, tenacidade e lutando contra as adversidades, se destacaram dentro das suas áreas de atuação e que abriram caminhos para que outras mulheres também ocupem espaços importantes na sociedade”, afirmou o presidente da OAB-PE, Bruno Baptista, em seu discurso.

A presidente da Comissão da Mulher Advogada (CMA) da OAB-PE, Fabiana Leite, destacou que, em que pese todos os avanços, as mulheres ainda sofrem com a violência e o tratamento desigual em relação aos homens, e que por isso a cerimônia de entrega da medalha tem um significado importante. “Continuamos na luta para que as mulheres sejam reconhecidas e ocupem seus lugares de destaque. E homenagear estas mulheres serve como exemplo para tantas outras que continuam em busca de seus objetivos e direitos”, ressaltou.

Batalha de Tejucupapo – O nome da medalha outorgada pela OAB-PE é uma referência a uma batalha em Pernambuco ocorrida no século 17, durante a invasão holandesa, e que foi protagonizada por mulheres. Tejucupapo é um pequeno distrito de Goiana (Mata Norte) e ficou conhecido por ser um cenário de uma das mais épicas batalhas, a Batalha de Tejucupapo, quando as mulheres resistiram aos ataques dos holandeses, que estavam em busca de comida e bens, enquanto a maioria dos homens da então vila estava fora, no Recife.

Munidas de paus, pedras, água fervente e pimenta, as mulheres criaram trincheiras para dificultar o acesso dos invasores, saindo, assim, vitoriosas. Elas foram lideradas pelas heroínas Maria Camarão, Maria Quitéria, Maria Clara e Maria Joaquina, tornando-se referência na luta feminina na história de Pernambuco.